A dinâmica veicular

A Dinâmica Veicular explica a interação existente entre o motorista, o veículo em movimento e o pavimento. Essa interação pode ser mostrada basicamente em quatro áreas distintas:

  1. Dirigibilidade.
  2. Aderência ao pavimento.
  3. Movimentação vertical.
  4. NVH.

A dirigibilidade, que também é conhecida como manobrabilidade, é a resposta do veículo para as ordens do motorista em relação à estabilidade e controle em diferentes velocidades e trajetos. Geralmente na fase de concepção (criação) do veículo o amortecedor é ajustado pela engenharia da montadora de forma a trazer a melhor digiribilidade possível, considerando os componentes originais de todo o projeto da suspensão. Qualquer perda de carga do amortecedor compromete o equilibrio dinâmico da suspensão e consequentemente a dirigibilidade também fica comprometida.

Aderência ao pavimento é a característica que mantém as rodas em permanente contato com a superfície da via, independente do nível da superfície e dos diferentes tipos de manobras. Lembre-se: os amortecedores são ajustados para manter a constante aderência das rodas com o pavimento, trazendo o devido controle na atuação das molas. Amortecedores gastos não conseguem estabilizar a atuação da mola e, consequentemente, ocorre a perda de aderência da roda com o solo.

A movimentação vertical é o movimento para cima e para baixo do chassi durante o deslocamento do veículo, com efeitos no conforto do condutor e passageiros. Ao mesmo tempo em que o amortecedor estabiliza a mola para manter a aderência da roda com o solo, ele também filtra as oscilações da suspensão, passando o mínimo possível destas oscilações ao chassi do veículo.

NVH (Ruído, Vibração e Aspereza) é um coeficiente obtido estudando o barulho no interior do veículo, ignorando obstáculos isolados ou diferentes tipos de superficies pavimentadas. Lembre-se: o amortecedor, em perfeito estado de funcionamento, ajuda a eliminar ruídos provenientes da suspensão, mesmo que ele não seja a fonte do ruído. é extremamente recomendado que em casos de troca de amortecedores em função de ruídos antes seja realizada uma análise geral da suspensão (coxins, buchas, suportes, freios, etc.) para que se possa identificar a origem do ruído.

Amortedores com cargas mais baixas são melhores para o conforto. Por outro lado, amortecedores com cargas maiores asseguram a estabilidade do veículo.

Analisando friamente todas as informações acima, podemos concluir que o conforto é inversamente proporcional à estabilidade e, teoricamente, o amortecedor ideal é aquele que consegue trazer o ponto de equilíbrio perfeito entre conforto e estabilidade para um determinado veículo. Por este motivo, no desenvolvimento dos amortecedores Monroe são levados em consideração diversos fatores e possibilidades, como por exemplo o tipo do veículo que vai utilizá-los.

Nos veículos de passeio os amortecedores são menos rígidos (têm menor carga), possibilitando mais conforto e mantendo um nível de estabilidade aceitável, enquanto carros especiais possuem amortecedores com cargas mais altas, o que torna a suspenção mais rígida, trazendo maior estabilidade com conforto aceitável.